Top Social

A mania dos pequenos se meterem com os grandes

14.9.12
Gentileza Patas&Focinhos Fotografia
Comportamento| Quem nos acompanha no Facebook, sabe que andamos pela Exposição Canina e Felina Internacional de Aveiro. Um dos meus principais medos era que o Lucas passasse as benditas horas a ladrar a matulões com o triplo do tamanho dele. Noutros convívios que temos frequentado, esse é o ritual. Ladra a grandes, pequenos e médios. Não faz distinção nem apresenta o mínimo medo. Depois de um bocado de tempo entre eles até acalma. No domingo, o meu Lucas era o cão mais bem comportado que alguma vez tinha visto. Troteava por entre os transeuntes, deixava que o cheirassem, que o mimassem e não ladrava a nenhum cãozinho ou canzarrão (incrível!). Será que o rapaz afinal está a ganhar juízo?

Não existem dúvidas que muitos dos cães de raça pequena têm um feitio um tanto ou quanto especial, outros até mesmo mau feitio (vejamos nos humanos!). A culpa é dos donos, que por acharem o cão tão fofinho e pequenito, chegam a permitir tudo o que o pequeno diabinho reclama. 

O facto de cães pequenos ladrarem aos grandes não significa que não têm medo. Umas vezes é por medo. Outras para se imporem, para mostrarem que são da mesma espécie. Estes pequenos barulhentos acham-se intocáveis e tão poderosos como os cães de maior tamanho. Imaginemos a seguinte situação: um cão pequeno da sua varanda vê um cão grande passar, ladra-lhe ferozmente. O cão grande ao passar e andar, induz a ideia no pequeno de que o seu latido foi tão forte que conseguiu que o outro circulasse. Isto só o deixa mais presunçoso das suas capacidades. O tempo passa, e o pequeno já se acha um Mastiff e ai de quem lhe faça frente. A tendência de levar os cães pequenos ao colo é muita e isso contribui para que ele veja o mundo de uma perspectiva mais alta. Se estão habituados a olhar para baixo na maioria do tempo é fácil de sonhar que se é gigante.

Isto tudo pode ser encarado com bom humor e com a maior ligeireza, contudo devo alertar que nem todo o cão se segura quando outro se vira a ele a ladrar. Tudo tem um limite e o seu verdadeiro momento.  Os donos dos pequenos diabretes têm de saber que desde cedo não devem permitir ou até encorajar a estes comportamentos.  Os cães, em tenra idade, devem socializar com outros cães, de preferência junto de  um profissional com capacidade de treinar e ensinar o cão. Não deixe o seu fanfarrão meter-se como todos os gigantes que lhe passam à frente. Um dia calha-lhe a Páscoa ao sábado e certamente não iremos gostar do resultado.