Top Social

Pavor de Trovoadas

28.9.12
Cachorro com fobia
Cães| Algumas raças caninas parecem ter o ouvido mais apurado e sensível ao ruído, mas, em boa verdade, qualquer cão pode ter medo das trovoadas. Quando definimos o conceito Trovoada não podemos restringi-lo a meros trovões. Ao amplificarmos o conceito Trovoada vemos que dentro dele cabe o efeito acústico, os raios, a pressão atmosférica alterada, a electricidade estática aumenta e, ainda, a presença em abundância de precipitação. 

Quantas vezes nessas alturas comentamos "Cheira a chuva!"? Até o nosso misero olfacto é capaz de sentir os odores que pairam no ar, agora imagine o cheiro de uma tempestade que os nossos cães são capazes de sentir.

Para alguns cães, o pavor das tempestades aumenta porque os donos não sabem lidar com os primeiros sinais de medo. Há quem castigue o animal, só de per si o momento já é traumatizante quanto mais se o dono reprimir.  Há quem tente tranquilizar o peludo, o que pode incentivar o comportamento: Oh pequerrucho, vem cá à dona. Não tenhas medo. Anda para o colinho, anda!

Por vezes, o facto de alguns cães se sentirem tão receosos e alterados pode levar os seus donos a associarem o comportamento a uma previsão meteorológica. A verdade é que os cães são capazes de sentir a aproximação de uma tempestade com maior antecedência que nós.

Prevenir é o melhor caminho para curar a sensibilidade para as trovoadas. No caso de se tratar de cachorros ou de cães ainda jovens, um dos métodos é distraí-los. Ofereça-lhes uma sessão de brincadeira e de treino à mistura para o abstrair de todas aquelas sensações que a trovoada lhe pode causar e aja de forma descontraída. Se se tratar de um cachorro, utilize a primeira trovoada como pretexto para uma "little party" - brinquedos, biscoitos e solicitações de obediência básicas. Verá que se agir de uma forma tão despreocupada e o ajudar a ignorar o que se passa lá fora, na próxima trovoada não haverá pânico nem medo, mas sim alegria para querer brincar.

Contudo, se o seu cão já possui uma fobia grave, as coisas podem tornar-se dramáticas e até perigosas. Uns tremem de medo. Outros desatam a destruir o ambiente que o rodeia. Outros mordem. Outros escondem-se. Nestes casos, e até nos anteriores, deve consultar um profissional de comportamento canino para o auxiliar neste processo.