Top Social

André & Passos Caninos

19.5.12
Entrevista| No seguimento do artigo em que falei sobre blogues portugueses sobre animais, os autores concederam-me a oportunidade de uma entrevista. Já havia sido publicada a entrevista do Cãomigo da Rute e da Bianca. Hoje tenho a oportunidade de mostrar o resultado de uma entrevista com o autor de Passos Caninos, a quem agradeço pela disponibilidade e amabilidade com que nos respondeu.

O Mundo do Lucas:  André, conte-nos um pouco acerca de si e do seu blogue. 
André: O meu nome é André Moreiras, sou adestrador de cães, responsável pela “Passos Caninos” e adoro o que faço. Para além disso, sou colaborador na Revista Trimestral online “Cães e Lobos” do Centro Canino de Vale de Lobos e contribuo positivamente com a ABRIGO - Associação de Protecção à Fauna e à Flora, que é uma nobre instituição de acolhimento de cães situada na Azambuja - Vale do Paraíso.
O meu blogue surgiu como forma de dar vida ao meu projecto “Passos Caninos”. Para além de servir como meio de divulgação da minha actividade, a ideia base e revolucionária deste blogue é permitir falar acerca da temática dos canídeos (quer seja de técnicas de adestramento ou mesmo de comportamento canino) de uma forma clara, simples, acessível e divertida a todas as pessoas que queiram ler o meu blogue e que não sejam profissionais da área, e de igual modo, entusiasmar essas pessoas a nos contactar e voltar ao blogue para querer conhecer mais, quer das temáticas apresentadas, quer dos serviços que eu proponho, tais como Dog Walking, Pet-Sitting, Adestramento Positivo Canino e análise de comportamento canino e por último, a grande novidade, o Personal Dog Training, que é uma forma de treino personalizado para os cães.

O Mundo do Lucas: Como nasceu a sua paixão pelos cães e de que forma isso o conduziu a frequentar um curso de adestramento?

André: A minha paixão pelos cães surgiu desde bébé, a minha mãe tinha uma cadelinha Chihuahua super engraçada chamada “Carochinha” que me guardava quando eu estava a dormir e me lambia os pés quando chorava.. era uma ternura. Nunca consegui viver sem cães, e mais tarde, quando saímos do apartamento e mudámos para a moradia, tivemos desde bébés o “Pulguinha” que é arraçado de Pincher e o “Horus” que é um Samoiedo, que já são sobejamente conhecidos no meu blogue.. Neste momento já não estou lá em casa, mas vejo-os todas as semanas porque moro num apartamento perto da moradia.
Entre cães, nem tudo é perfeito e quando temos 2 machos em casa há sempre conflitos entre eles... Nós já fomos todos mordidos lá em casa ao tentar separar essas lutas, para além disso, tinha alguns problemas de agressividade nervosa com o Pulguinha, que além de ser sempre o provocador dessas lutas, não respeitava a hierarquia humana lá em casa, ou seja, ele é que assumia o papel de líder.
Comecei por ler vários artigos de psicologia canina, verificar soluções de vários géneros para os problemas que apresentava e confesso que foi um árduo trabalho retirar-lhe a liderança, exigiu muita consistência e trabalho mas consegui. De forma a aperfeiçoar as minhas técnicas e conhecer este vasto mundo que é o trabalho com cães, inscrevi-me no Centro Canino de Vale de Lobos onde aprendi as inúmeras vantagens de utilizar o adestramento positivo canino ao invés de utilizar formas de repressão com os cães para obtermos os comportamentos que desejamos que eles tenham.

O Mundo do Lucas: Afinal o que é, realmente, o Adestramento?
André: Adestrar é Condicionar. Vamos condicionar os instintos básicos do cão através do reforço positivo de forma ao cão relacionar os exercícios que pretendemos a uma experiência positiva e adoptar um comportamento que nós consideramos socialmente aceitável.
O adestramento, por outras palavras menos técnicas,  é uma forma de brincarmos com o cão e ele aprender ao mesmo tempo. Ele vai tentar sempre conseguir o que quer (a comida ou a bola) e nós aproveitamos essa motivação para conseguirmos o que realmente pretendemos dele.

O Mundo do Lucas: “Cão adestrado” parece nome de moda. Será esta uma tendência ou um assunto importante para a vida da família e do animal?
André: Se o cão adestrado for uma tendência ficarei muito contente. É sinal que respeitamos os animais e que eles nos respeitam, infelizmente as mentalidades em relação aos cães ainda são muito retrógadas e o uso de repressão negativa é a forma habitual como as pessoas ensinam os cães. Espero que mude, a vida do animal torna-se muito mais equilibrada com o adestramento e a vida dos humanos mais facilitada pois eles têm um comportamento muito mais próximo do que nós desejamos, é uma relação de puro benefício e na minha opinião é um assunto importante da família pois sempre fui educado como os cães fazendo parte integrante dela.

O Mundo do Lucas: Com que idade se deve começar a adestrar um animal? Existe uma idade limite?
André: Eu posso dizer que devemos adestrar um cão desde o momento em que chegam a nossa casa como forma genérica. A idade tal como nos humanos só se vai reflectir na disponibilidade para aprender, quanto mais novo é o cão mais disponível será a sua aprendizagem tal como nas crianças humanas.
Nos cães não existe uma idade limite, eu posso dizer que o “Pulguinha” vai fazer 10 anos em Junho e é um mestre no adestramento pois faz tudo sem quaisquer problemas. Já o “Horus” ainda que seja um ano mais novo faz algumas coisas, mas exige muitas mais repetições e muita mas mesmo muita paciência... a paciência e a persistência do dono são essenciais para o sucesso do adestramento, em qualquer idade. Com o meu exemplo prático, apenas quis dizer que existem cães que são mais fáceis e disponíveis que outros, o essencial é motivá-los para obtermos o mesmo resultado.


O Mundo do Lucas:   Qual é o objetivo principal do adestramento?
André: No adestramento, o objectivo principal é o cão ter um comportamento que é socialmente adequado... em que anda ao nosso lado, em que se senta e deita quando lhes mandamos, em que aguarda por nós quando lhes indicamos para aguardar e principalmente, que vem ter connosco quando o chamamos (este tem sido o problema mais comum que tenho visto).


O Mundo do Lucas: Todos os cães têm que ser adestrados?
André: O adestramento é como se fosse uma escola canina, na minha opinião todos os cães deveriam ser adestrados de forma a minimizar muitos dos problemas de comportamento que tenho visto na minha experiência profissional com cães. Dessa forma podemos ajudá-los na aprendizagem que pretendemos que eles tenham e satisfazemos os nossos objectivos com o cão.


O Mundo do Lucas: O que é importante exigir do adestrador?
André: O adestrador deverá possuir conhecimentos técnicos para realizar o adestramento, por forma a realizar os objectivos dos donos dos cães. Como ainda não existe uma entidade responsável por regularizar a profissão de adestrador canino, deverá ter-se especial cautela com possíveis charlatães que quererão ter um proveito económico em troca de um adestramento inadequado e impróprio.


O Mundo do Lucas: É possível um cão tornar-se agressivo ou rebelde por causa do adestramento?
André: Na questão da agressividade teremos que ter em conta do tipo de treino que pretendemos. No adestramento básico, a agressividade simplesmente não existe nem é aceitável, pois o cão irá sempre associar o seu adestramento a uma brincadeira, tal como já referi.
Porém, numa fase mais avançada, e de acordo com as características de raça e temperamento de certos cães, poder-se-á por em prática um treino de guarda e defesa, onde se exige uma agressividade controlada com base na mordedura na manga, e para fins desportivos, como é o caso do RCI. No entanto, o livre arbítrio do cão jamais é aceite. O cão responde sempre sob comando e os ataques são controlados.


O Mundo do Lucas: Como saber se um cão está a ser mal tratado durante o adestramento?
André: No adestramento o cão deve estar feliz e entusiasmado pois a sua motivação é essencial para o sucesso. Ao contrário de muitas situações em que lhe exigimos um comportamento calmo-submisso, no adestramento é justamente o contrário, queremos é excitação e entusiasmo por forma aos cães relacionarem o adestramento a uma experiência positiva. Os maus tratos só irão prejudicar o adestramento... são proibidos por completo! E caso estejam a ser infligidos maus tratos ao cão o seu comportamento será notório, pois estará reprimido e não responderá de forma positiva ao adestramento, nem terá motivação para trabalhar. 


O Mundo do Lucas: Quanto tempo pode levar a um cão a ficar adestrado?
André: O tempo varia consoante o cão que trabalhamos. Tal como nas pessoas existem uns potencialmente mais inteligentes que outros, mas também depende muito da forma como os seus instintos básicos foram trabalhados desde a sua juventude.
Por outro lado, temos outro factor, que é o princípio da escada. Não podemos saltar as diversas fases do adestramento, tem de ser uma aprendizagem progressiva, e posto isto, um adestramento completo nunca demorará menos que 4 meses em média.

O Mundo do Lucas: A educação de um cão é dispendiosa, certo? Entre que valores nos podemos situar?
André: Atendendo ao panorama actual da nossa economia, a Passos Caninos tem uma perspectiva Low Cost da educação canina. Os preços são baixos e tentamos ao máximo satisfazer os objectivos dos nossos clientes quer com os seus cães, quer com os custos inerentes da sua educação. Por norma marco uma entrevista para conhecer os donos e os seus cães, e consoante os problemas de comportamento a resolver, e os programas de adestramento escolhidos pelos donos elaboro um orçamento de custos a pagar, não excedendo as perspectivas de custos a pagar por parte dos donos, e como se subentende, os custos são variáveis de cão para cão.