Top Social

Amizades Improváveis

12.6.12
Entrevista| Há uns tempos tivemos entrevistas a autores de blogues nacionais, desta feita temos uma entrevista com um grupo que se dedica de corpo e alma aos cães. Encontrei o grupo "Amizades Improváveis" numa mera pesquisa sobre eventos caninos, gostei do grupo e tentei conhecer um pouco melhor através da Nádia Rodrigues e da Vanessa Lopes. Aproveito para dizer que O Mundo do Lucas é oficialmente parceiro do Amizades Improváveis.
O início de uma amizade improvável
Gentileza de Patas&Focinhos e Nádia Rodrigues
[O Mundo do Lucas (OML)] Como é quando começou o Amizades Improváveis?
[Amizades Improváveis (AI)] O AI começou por acaso, em Abril deste ano… a ideia surgiu a partir de uma foto dos nossos cães. Um momento captado pelas nossas amigas Patas e Focinhos Fotografia depois de uma brincadeira sem fim entre o Pug Spooky (Encontro de Pugs Oeiras) e o Rottweiler Ozzy. Achámos imensa piada ao facto de o pequenito pedir ao Ozzy para brincar! Normalmente os pequenos são refilões e medrosos…
A foto imortalizou o momento em que lhes ordenámos para ficarem bem quietinhos para a câmera e as nossas amigas P&F legendaram: “Conversas Improváveis… a Amizade não tem fronteiras…”.
Foi esta a base, mas o que ajudou ainda mais foi o facto de o Rottweiler Ozzy, como cão “potencialmente perigoso” ser um animal de um carácter fantástico (tal como toda a raça!) e ser constantemente atacado por outros animais ou pessoas, por ser grande ou ter etiqueta. Dentro disto pensei: porque não estender às pessoas os nossos passeios, aventuras e conhecimentos? Criar um grupo que ajude a mostrar a todos que os cães são, independentemente do seu “tipo”, iguais? O conceito surgiu de forma a evidenciar as linhas que ligam o Homem ao seu melhor Amigo. 

[OML] Como definem o Amizades Improváveis?
[AI] Como um grupo bem disposto, divertido e acessível, responsável pelo que faz e com muito para dar! Pretendemos ajudar no que pudermos, desde situações básicas de treino a dúvidas que surjam acerca do animal de estimação (neste caso o cão).
O descanso dos guerreiros
Gentileza de Patas&Focinhos e Nádia Rodrigues
[OML]Qual é o principal foco do vosso trabalho?
[AI] “Quando se juntam diversas raças e tamanhos, surgem Amizades Improváveis. Uma iniciativa para revelar o verdadeiro carácter dos nossos melhores amigos porque, “quem vê caras, não vê corações”…
Pretendemos chegar ao português de várias formas, ajudando a perceber o que são os nossos animais: amigos e companheiros, família e não simples coisas que só precisam de comer e beber.
Queremos que as pessoas entendam que ter um animal é dispendioso sim, e exige responsabilidades acrescidas, mas é uma dádiva que a vida nos dá!
Queremos que de uma vez por todas percebam que, os cães são o que os donos fazem deles. Em suma, o cão é o espelho do dono!

[OML]Quais são os vossos principais objectivos para 2012?
[AI] Este ano é um ano de iniciação, de muito trabalho e stress. Só temos um objectivo principal, referido anteriormente: levar a todos o nosso conhecimento e apoio. Mostrar a todos o verdadeiro carácter dos nossos cães, ajudando as pessoas a compreenderem o 4 patas da família.
Nádia Rodrigues com o seu amigo de 4patas
Gentileza de Nádia Rodrigues
[OML]Verifiquei que no próximo dia 17 de Junho será o vosso primeiro evento com actividades com cães e piquenique, em Sintra. Têm mais algum agendado? Só farão pela zona de Sintra?
[AI] Sim, conseguimos bem cedo agendar um primeiro evento: o 1.º Encontro Amizades Improváveis. Para já ainda é o único agendado, mas já pensamos noutros caso este tenha o sucesso que idealizámos.
Não esperamos fazer só em Sintra. Posso levantar um pouco o véu e dizer que já surgiu a ideia de levar o AI à Serra do Buçaco, mas ainda nada decidido pois é mesmo só uma ideia. É um local lindíssimo e mágico, dentro de uma área onde as pessoas têm uma forma única de ver os animais - algumas delas precisam deste tipo de actividades para serem “educadas” na disciplina “Cão: um membro da família”. Por outro lado, é um local onde não há este tipo de actividades e encontros. Tenho conhecimento apenas de um Dog Trekking que não foi muito publicitado, e já várias pessoas nos contactaram querendo detalhes do nosso encontro e questionando se faremos algum naquela zona pois não têm qualquer hipótese de vir a Sintra. Ou seja, o objectivo é descentralizar o evento e encontrarmos mais parceiros junto das localidades onde serão realizados os eventos. Tudo o que venha no futuro, de encontros, dependerá das Autarquias das zonas escolhidas também.

[OML]Com a crise, está ainda mais complicado o combate ao abandono, visto que muitas pessoas deixam de ter condições para ter os seus animais. Que medidas sugerem que sejam tomadas para evitar ou minorar os efeitos do abandono?
[AI] Quanto ao abandono estar ligado á crise, só tretas!...Onde comem dois comem três, sempre ouvimos dizer...e se não há dinheiro para ração, dá-se arroz com frango. O Amor não tem preço por isso não precisam de gastar dinheiro com isso. Quem abandona não é porque não tem dinheiro...Mas simplesmente porque não tem coração!
Quanto ao combate ao abandono é uma proposta difícil nos tempos que correm, pois as pessoas são egoístas...Por isso, se a pessoa abandona, não há nada a fazer...Pode-se é trabalhar na prevenção, o que compete em grande parte às associações e autarquias... Com vacinação gratuita por exemplo, algo que já se concretiza em alguns concelhos (pelo menos com a vacina da raiva);
Os veterinários e lojas de animais, podem muitas das vezes contribuir com promoções em ração e bens essenciais para os canitos/ gatitos e esterilização gratuita.
Os maus-tratos: legislação mais apertada e formação de agentes de autoridade...
Hora da brincadeira
Gentileza de Nádia Rodrigues
[OML]Quais os apelos mais urgentes gostariam de lançar?
[AI] Quanto aos apelos que gostaríamos de lançar…

1. Antes de adquirir um animal, seja ele qual for, fazer um cálculo aproximado das despesas com alimentação, veterinário, produtos de bem-estar e conforto, etc., para que possa realmente saber se tem condições para o adquirir;

2. Analisar as suas condições de habitabilidade e colocar todas as questões possíveis em cima da mesa, tais como: quando vou de férias quais as alternativas? Tenho espaço adequado para o porte do animal, bem como tempo disponível necessário? Etc.;

3. O apelo maior que desejamos aqui deixar é, não abandonem os animais. Tentem todas as alternativas, tais como pessoas próximas, apelos na internet e através de outros meios, o vosso veterinário, associações, e em última instância o canil, mas não os abandonem. Se acha que não tem condições para o ter, a atitude mais sensata é mesmo não o ter.